Alimentação Parte III – O que é Bom e o que é Mau

Por: Muriel Mendes Dentro: Saúde & Alimentação Em: Comentário: 0 Hit: 178

Não existe apenas uma forma correcta de alimentares o teu cão. É bom que estejas ciente e que não te deixes levar pelo mito de que apenas uma ração processada, é balanceada e completa, sendo a única fórmula que pode satisfazer as múltiplas exigências alimentares do teu patudo. O Moby a Teka e a Cookie comem ração. É a minha opção. A minha escolha perante as várias outras, válidas e completas que existem.

Na verdade, cada um tem de optar em consciência por aquela que melhor se adequa a si – onde as vantagens superam as desvantagens e o bem-estar do cão se ergue perante o resto. Por isso, deixemos à porta, fundamentalismos disparatados e abracemos em grande – o bom senso – aquele que nos faz sobreviver à vida há séculos de existência!

Embora haja toda uma ciência à volta da questão da alimentação (e ainda bem), dar de comer ao teu patudo, não deveria ser para o comum dos mortais, tema de ciência nuclear! Basta estar atento, e olhar para os sinais óbvios que te dizem “ele está bem” ou “ele não está bem”. Se a pelagem está saudável, se tens um cão cheio de energia e sempre pronto para a brincadeira, se ele parece saudável, quase garantidamente, é porque está saudável.

Pessoalmente e como já referi os meus 4 patas comem ração seca de alta qualidade, que vai variando (sim, eles não estão de castigo a ter de comer uma vida inteira a mesma coisa, com o mesmo sabor e os mesmos ingredientes). Neste momento variam entre a Luposan, Alpha Spirit, CarniloveSelect Grain Free da Picart e ainda por experimentar a Happy One Mediterraneum (marca Portuguesa, fabricada em Portugal), entre os vários sabores disponíveis. A ração é no entanto complementada com uns húmidos esporadicamente que eles adoram da Mhims e Naturo, mas aí também, com todo o cuidado para garantir a qualidade das mesmas – CARNE… Lembram-se? O ingrediente principal de qualquer dieta de um cão saudável? É a minha regra nº1, no que diz respeito à alimentação deles. (Podem ler ou reler Parte I e Parte II deste artigo).

Os snacks também entram como mimo regular como os MomentsOssos da Luposan e snacks 100% carne da Pure Range que são uma recompensa saudável. Ainda temos os suplementos, que não são necessários de forma regular se o teu patudo tem uma alimentação equilibrada, mas podem ser uma grande ajuda em épocas sazonais como com a queda do pelo ou problemas individuais, com displasia por exemplo. Por fim, temos fruta fresca! Eles adoram banana e a casca de maçã que nunca falta ao jantar, porque o meu filho adora dar-lhes esse mimo – e assim ponho-o a comer fruta e feliz de construir uma relação com o Moby, a Teka e a Cookie!

Nota: Atenção, por alimentação diária, entende-se toda a ingestão calórica diária. Não considerar recompensas, snacks e mimos como parte de uma refeição completa é um dos principais causadores de excesso de peso nos nossos patudos.

Bem, o que interessa mesmo aqui é fazeres a tua escolha informada. Quer escolhas rações secas ou húmidas, alimentação crua, refeições naturais cozinhadas a baixas temperaturas, alimentação desidratada, vegetariana ou o que mais houver como tendência… o mais importante é basear a tua escolha, no melhor que encontrares para o teu patudo. Escolhe aquela fórmula que inclui ingredientes saudáveis e adaptados às suas necessidades, e conjugados entre si de forma completa e balanceada para uma saúde óptima.

Por isso, aqui fica uma lista de ingredientes saudáveis e não tanto, pela qual baseio as minhas escolhas:

  1. Ingredientes Apropriados

Carne (Fresca/Farinha/Desidratada) – inclui qualquer carne com nome especificado: frango, peru, porco, vaca, pato, borrego, coelho, veado, fígado, tripas.

Peixe (Fresco/Farinha/Desidratado) – inclui crustáceos (ricos em glucosamina), salmão, sardinha, peixe branco, atum, cavala…

Ovos

Gorduras e óleos especificados (frango, pato, salmão, peixe, linhaça, girassol)

Gérmen de Milho ou Trigo/Arroz Integral/Farelo de Arroz/Centeio

Salsa/ Cenoura/ Chicória/ Alho/ Ervilhas/ Batata-doce/ Tomate/ Extracto de Yucca

Arandos/ Extracto de semente de uva/ Linhaça/ Azeite/ Quinoa

Conservantes e antioxidantes naturais (vitamina E e vitamina C)/ Tocoferóis

Levedura de Cerveja/ Carvão/ Algas

  1. Ingredientes Aceitáveis

Farinha de osso

Proteína animal hidrolisada (normalmente encontrada em rações próprias para cães com alergias)

Aves

Gorduras e óleos não especificados (Aves,Vegetais)

Cevada/Aveia/ Arroz Branco

Alfafa/ Fécula de Batata/ Batata/ Farinha de Ervilhas/ Tapioca/ Fibra Vegetal/ Vegetais

Óleo de Colza/ Óleo de soja

Glicerol (E422)/ Molho/ Caldo

  1. Ingredientes controversos

Carne e sub produtos animais (não sabes o que é, apenas que faz parte da carcaça de um mamífero terrestre fresco ou preservado. Mas de certeza que se fosse assim tão bom os fabricantes estariam orgulhosos de mencionar o ingrediente na sua lista…)

Peixe e derivados

Cereais

Farinha ou Glúten de milho

Trigo/ Milho/ Soja

Derivados de origem vegetal / Extracto de proteína vegetal

“Digest” peço desculpa mas não consigo encontrar o termo em Português, mas já o vi em algumas rações. É um processo químico/enzimático através do qual se obtém um produto final hidrolisado (onde normalmente não é especificado a origem do produto). A adição deste ingrediente serve na maior parte das vezes para dar sabor a ração.

  1. Ingredientes Inadequados

Sal / Açúcar/ Corantes Artificiais/ Conservantes (BHA e BHT) ou Antioxidantes Artificiais/ Ácido Fosfórico (E338)/ Propileno glicol/ Hexametafosfato de sódio (HMP ou E452i)/ STPP…

A verdade é que existem muitas alternativas no mercado, umas boas, umas aceitáveis e outras deploráveis, mas legalmente permitidas pelas entidades reguladoras. E como tal, o próximo passo será explicar-te em pormenor, como decifrar os mistérios escondidos nos rótulos! Aproveitando ainda para facultar uma comparação de rações para ser mais fácil perceberes e fazeres tu próprio esse trabalho chato, mas indispensável ao bem-estar do teu canino!

Alimentação Parte I | Alimentação Parte II | Alimentação Parte IV

Comentários

Deixar seu comentário